Silmar Coelho

Silmar Coelho

Feridas escondidas

Não é outro ser humano que fará a sua vida completa. Mas, é preciso ser honesto. Ter as suas feridas beijaras por alguém que nas as vê como um desastre, lhe respeita e trata com amor faz muito bem. É possível esconder feridas, mas escondê-las não as cura. Elas permanecem abertas e doloridas ao longo da vida.
Para que sejam curadas, duas coisas são necessárias. A primeira é deixar-se tocar, ser tratado, revelado, abrir a porta do coração com verdadeira coragem, força e determinação para que as feridas escondidas possam ser curadas.
Todos têm feridas nos lugares mais inesperados. Mapas secretos das suas histórias pessoais. Velhas e teimosas feridas, difíceis de sarar, produzindo dores insuportáveis. Lembranças de acontecimentos que não conseguimos esquecer.
A segunda, é ter alguém disposto a olhar para nossas feridas sem nojo, sem questionar como as adquirimos, sem julgar-nos por sentir tanta dor. É preciso um relacionamento onde o amor e o sofrimento se encontram para dar à luz ao alívio. Seria bom encontrar um amigo assim. Jesus promete ser esse amigo. “Deus sara os de coração quebrantado e lhes alivia as feridas” (Salmos 147:3). #SilmarCoelho

Compartilhe esse Artigo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
  • (11) 93020.8555
  • falecom@silmarcoelho.com.br
  • São Paulo - SP
Silmar Coelho © 2019 Todos os direitos reservados